BARte-papo 2016: médicas cubanas na APSP

Em 2016, a APSP resgatou antiga tradição, o BARte-papo. O evento teve início na sede da APSP nos anos 90 e trouxe figuras importantes da saúde pública para uma conversa informal, com clima de bar e música.

Em maio, a nova versão do BARte-papo reuniu Pedro Dimitrov e Oswaldo Doninni, pioneiros na criação do evento que bateram um animado papo com Allan Gomes de Lorena. Na ocasião, o tema da discussão foi “Os desafios de ser sanitarista e atuar na saúde pública, hoje”.

Na sexta-feira passada, o tema do encontro foi “Conversando com médicas cubanas”, que contou com a presença de Diana López e Yamilla Antonio, participantes do Programa Mais Médicos. A sede da APSP foi toda decorada com temas juninos, e os presentes puderam degustar delícias juninas e também bebida cubana tradicional, o mojito.

As médicas falaram sobre as experiências em Cuba e em outros países onde cumpriram missão, Venezuela e Guiana Inglesa. “O que mais me chamou a atenção foi a comparação que elas fizeram do trabalho no Brasil e nestes outros países. Lá, elas não encontraram políticas muito estruturadas, mas sentiram maior autonomia para o desenvolvimento de seu trabalho. Elas se queixaram muito da influência do ‘gerencialismo’, o que influencia na autonomia e se sentiram muito presas à Atenção Básica, ao contrário dos outros países, onde circulavam também na atenção secundária e terciária”, explica Marco Akerman.
O BARte-papo, bastante animado, volta em agosto.
Participe!