Sorocaba e região: Saúde Mental e Direitos Humanos

A APSP convida todas e todos para o evento “Saúde Mental e Direitos Humanos: Desafios do Processo de Desinstitucionalização de Sorocaba e Região”, organizando pela APSP Núcleo Regional Sorocaba, pelo  o CRP-SP Subsede Sorocaba, e pelos movimentos FLAMAS e Loucos Pelo Mundo de Sorocaba, e o Fórum Popular de Saúde Mental do Grande ABCDMRR.

Reconhecendo a necessidade de fortalecimento da Luta Antimanicomial e o necessário compromisso ético e político dos atores envolvidos com o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) de Sorocaba e Região, o evento contará com umaAudiência Pública e uma Mesa-Redonda, no dia 28 de novembro de 2015, das 09 às 18 horas, na Câmara Municipal de Sorocaba-SP.

Completando três (03) anos de assinatura do TAC pelos Municípios, Estado de SP, Ministério da Saúde, Ministérios Públicos Estadual e Federal (comprometendo-se com o fechamento dos 07 hospitais psiquiátricos e desinstitucionalização dos sobreviventes, construção e adequação da RAPS  em Sorocaba, Piedade e Salto de Pirapora) ainda são muitos os desafios para seu cumprimento.

O Evento  coincide com o momento em que os avanços e a continuidade das políticas de Atenção Psicossocial estão sob a mira de forças manicomiais de contra-reforma que se aproximam do novo Ministro da Saúde, e é essencial potencializá-lo como espaço de resistência, reflexão e pressão política. Convidamos, assim, os Movimentos Sanitários e, em especial, os da Reforma Psiquiátrica e da Luta Antimanicomial para compor esta Luta.

A região de Sorocaba é emblemática para a Luta nacional: maior fortaleza manicomial do Brasil, que até 2011 passava à margem da Reforma Psiquiátrica, deveria ser palco do maior processo de desinstitucionalização do país, após as denúncias feitas pelo FLAMAS (Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba). Contudo, graças às forças manicomiais da cidade, aliadasa interesses econômicos e articulações políticas, o processo hoje passa por um intenso esvaziamento e desmonte. Os movimento da Luta Antimanicomial precisam de uma atuação intensa, crítica e coletiva, para fortalecimento deste processo e retomada do compromisso ético e político dos atores sociais e institucionais envolvidos, alinhados com os princípios da Luta Antimanicomial e o Paradigma da Atenção Psicossocial. Sorocaba é, portanto, representativa dos desafios que se apresentam à luta, nacionalmente.

Considerando a potência política da Audiência Pública e sua importância como instrumento de participação democrática da comunidade e da sociedade civil organizada, esperamos contar com sua presença, essencial para fortalecer o debate deste Encontro. Parafraseando Abílio Costa-Rosa, vamos ocupar a Audiência e pintar Sorocaba com as cores radicais da Luta Antimanicomial!

Foto_Cartaz_28.11.2015